Nós utilizamos cookies para melhorar o nosso site e a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar no site está a concordar com a utilização de cookies. Encontra aqui mais informações sobre privacidade.

Aceitar.

Desenvolvimento Técnico

TESTES DE FUNCIONAMENTO E RESISTÊNCIA

JOGAMOS SEMPRE PELO SEGURO

As exigências da indústria automóvel e dos nossos clientes finais relativamente às nossas jantes são elevadas. As jantes, que, mais tarde, no veículo em estrada e, por vezes, também em terra ou num circuito de corridas, têm que resistir a todos os esforços imagináveis, são submetidas como protótipos aos testes mais rigorosos no laboratório de desenvolvimento próprio da RONAL GROUP. Nos mais modernos equipamentos de teste, criamos todas as situações de condução possíveis no tráfego rodoviário e examinamos o funcionamento e vida útil das jantes. Só quando todos os testes forem concluídos com êxito é que se autoriza a sua produção.

Também nos nossos ensaios fazemos a distinção entre testes para aftermarket e testes para equipamento original. Os testes AM são descritos inequivocamente no regulamento relativo à circulação rodoviária (StVZO) e validados pela TüV. A quantidade e duração dependem do volume de variantes (veículos/desvios/diâmetros de implantação). A aprovação é completada com certificados como o atestado da Direção Federal de Viação, autorização CE ou normas especiais do país (p. ex., Japão/EUA/Ásia).

Os requisitos de teste dos fabricantes de automóveis variam muito no que respeita aos valores de teste, tipos de teste e à duração dos mesmos e, por vezes, são aqui necessários até equipamentos de ensaio especiais. Os ensaios realizados pela RONAL GROUP e respetivos resultados são aceites e aplicados pelos nossos clientes. Além disso, existem cada vez mais exigências internacionais, p. ex., do Brasil, da China ou da Coreia, que atrasam o processo de autorização. Por princípio, os ensaios reproduzem a resistência à fadiga e também possíveis utilizações indevidas. Além disso, nos testes são tidos em consideração intervalos de temperaturas e campos de aplicação variáveis. Caso as primeiras peças não resistam a estes testes de resistência, a jante pode ser reforçada nos pontos críticos mediante desbaste de material na ferramenta.